Detento faz comentário em rede social da Polícia Civil no Ceará ~ Macaparana Hoje - Informação com agilidade!

AGORA NO BLOG...

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Detento faz comentário em rede social da Polícia Civil no Ceará


Sindicato dos Policiais Civis mandou ofício para exigir mais investigações.
Polícia Civil informou que iniciou as investigações juntos com a Sejus




Um detento publicou neste mês de julho um comentário sobre a "Paz" onde questiona outros comentários na comunidade da “Polícia Civil do Ceará em Ação”, no Facebook. A mensagem foi compartilhada no dia 10, no entanto, somente na tarde do dia 16 o perfil do dentento foi descoberto pelo Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpol-Ce).


A página de "Kiel Alencar", apelido, é atualizada diariamente com fotos durante banho do sol, na cela e outros ambientes do complexo penitenciário. O detento também compartilha mensagens com amigos, familiares e faz novas amizades no mundo virtual, fato percebido durante averiguação do sindicato. Ezequiel Alencar, que está em uma penitenciária não divulgada pela Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), reage aos comentários. E questiona como as pessoas querem paz se muitos comentários são agressivos.


O presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Gustavo Simplício,  diz que postagens estão partindo de dentro das penitenciárias do Ceará e pede providências. “Pelas fotos percebe-se nitidamente que é de dentro da cela. Nota-se até a cama do detento. E outras fotos dentro do próprio pátio”, disse.

Através do perfil de “Kiel”, os investigadores descobriram uma rede de amigos que utilizam as redes sociais para se comunicar. E ainda fotos de dentro das celas e do pátio dos presídios durante o banho de sol.

“Eles olham uma página na rede social de um cidadão de bem sem ter conhecimento e mostra os parentes, a família, o modo de viver e depois ligam para os cidadãos fazendo ameaças, simulam sequestro, sabem que a pessoa viajou e existem pessoas que caem nesse golpe. Isso nos assusta porque a polícia tem um grande trabalho para prender e vê depois eles praticando crimes dentro do presídio”, afirmou.



G1



←  Anterior Proxima  → Página inicial