Escola de Referência Coronel João Francisco (São Vicente Férrer) Fica em Terceiro Lugar do Ranking de Melhor Escola Pública do Brasil ~ Macaparana Hoje - Informação com agilidade!

AGORA NO BLOG...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Escola de Referência Coronel João Francisco (São Vicente Férrer) Fica em Terceiro Lugar do Ranking de Melhor Escola Pública do Brasil


Seis escolas públicas de Pernambuco entre as melhores do Enem 2014
Ranking foi divulgado na manhã desta quarta-feira, em Brasília. Todas as escolas bem colocadas funcionam no interior do Estado


Chico Soares, presidente do Inep, em coletiva realizada nesta quarta em Brasília


Das 10 melhores escolas publicas de ensino médio do Brasil, seis estão em Pernambuco.


As Escolas Estadual de Educação Profissional Padre João Bosco de Lima e de Ensino Fundamental e Médio Deputado Cesário Barreto Lima, ambas no Ceará, ocupam o primeiro e o segundo lugares, respectivamente. ✅Já a terceira, quarta, quinta e sexta posições são de estabelecimentos pernambucanos.


São eles:
3-Escola de Referência em Ensino Médio Coronel João Francisco (São Vicente Ferrer)4- Erem João Pessoa Souto Maior (Sairé)5- Erem Barão de Exu (Exu), Erem Padre Antônio Barbosa Júnior (Jurema).

A sétima colocação foi alcançada pelo,

7- Colégio Estadual Pedro Calmon, da Bahia, e a oitava pelo
8- Colégio Estadual Dr. Milton Dortas, de Sergipe. O nono e o décimo lugares são novamente de Pernambuco:
9- Em Senador Nilo Coelho (Dormentes) e
10- Erem Manoel Guilherme da Silva (Passira). Segundo o Inep, são escolas de grande porte – com mais de 90 alunos – que tem indicador de permanência alto, onde mais de 80% dos alunos cursaram todo o ensino médio, e têm alunos de nível socioeconômico baixo ou muito baixo.



O Instituto de Pesquisas e Estudos Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou nesta quarta-feira (5) as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 por escola e revelou que as dez melhores escolas públicas do ensino médio estão no Nordeste, sendo seis delas em Pernambuco. Ao todo, 15.640 instituições de ensino tiveram os dados divulgados, nas quais 1.295.954 estudantes fizeram o Enem.



Segundo o ministro da Educação, Renato Janine, o Inep está propondo pela primeira vez rankings alternativos à listagem pelas maiores notas. “A primeira da lista não é necessariamente melhor, porque existem fatores externos que podem determinar isso. E do ponto de vista da prestação de serviço, se você quer mostrar às famílias qual a melhor escola para o seu filho, às vezes a primeira da lista pode ser muito pequena, e não ter vaga, ou ter uma política restrita de aceitação de alunos. Então, não é uma informação de serviço muito boa. Queremos aproximar o resultado do mundo real e ver a contribuição efetiva das escolas”, disse.


Janine explicou que o Ministério da Educação está valorizando três fatores nesse ranking. O primeiro é o porte das escolas. “Elas têm geralmente uma nota menor porque lidam com uma complexidade de alunos, que é o mundo real. A escola grande prepara melhor o aluno para o mundo real, mesmo que ela pontue abaixo. Não podemos ignorar que uma escola pequena facilita o trabalho do professor, mas também forma um aluno menos apto a lidar com a complexidade crescente do mundo atual”, disse o ministro.


O Inep divide as escolas de um a 30 alunos, de 31 a 60 alunos, de 61 a 90 alunos e com mais de 90 alunos. Segundo fator determinante é o de permanência do aluno na instituição. Segundo Janine, há escolas que excluem alunos que não apresentam bom rendimento e absorvem os bons alunos por processos de seleção para o 3º ano. “Você excluir um aluno que está tendo notas ruins aumenta a nota da escola, mas também não é verdadeiro. Não está dando um desenho real de como a escola formou seus alunos, porque ela subtraiu informação”, explicou.


O instituto divide as escolas pelo fator de permanência, entre aquelas que têm menos de 20% dos alunos que fizeram todo o ensino médio na instituição, e as que têm de 20% a 40%, de 40% a 60%, de 60% a 80% e de 80% ou mais. O fator determinante para o ministro é o nível socioeconômico. “Uma escola com alunos mais pobres, ou mesmo miseráveis, vai ter uma nota inferior. Mas essa escola pode estar fazendo um trabalho educativo mais importante. Ela pode talvez melhorar esses alunos mais do que aquela que  já recebeu o aluno com muita formação e com nível socieconômico alto, apenas dando um pequeno avanço nele”, explicou.


O sistema de divulgação do Enem por escola está disponível no site do Inep.





JC On Line/ Facebook Tito Moraes





←  Anterior Proxima  → Página inicial