Policial Militar mata outro após discussão sobre cotas raciais ~ Macaparana Hoje - Informação com agilidade!

AGORA NO BLOG...

domingo, 30 de agosto de 2015

Policial Militar mata outro após discussão sobre cotas raciais


 

 

 

soldado3 

 

Uma terceira policial foi testemunha do crime. Soldado acusado de efetuar disparos tinha problemas de relacionamento dentro da corporação, com relato até de dependência química.

 

Os três policiais militares realizavam o policiamento ostensivo motorizado, quando o soldado, sacou a arma de fogo e atirou na cabeça do comandante da viatura / Fernando da Hora/ JC Imagem

Um policial militar morreu na manhã deste domingo (30) após ser atingido na cabeça por um colega de batalhão enquanto faziam plantão no bairro de Apipucos, Zona Norte do Recife. Uma terceira policial foi testemunha do crime, que teria sido motivado por uma discussão sobre cotas raciais. O soldado acusado de efetuar o disparo já tinha um histórico complicado dentro da corporação, com relatos inclusive de dependência química e sérios problemas de relacionamento no trabalho.

A vítima, Adriano Batista da Silva, 41 anos, estava na PM há pouco mais de 10 anos, serviu no 24° BPM, em Santa Cruz do Capibaribe, e, atualmente, estava no 11° BPM, em Casa Forte. Considerado por todos no batalhão como um bom policial, Adriano deixa mulher e um filho.

Os três policiais militares realizavam policiamento ostensivo numa viatura quando o soldado sacou a arma de fogo e atirou na cabeça do comandante da viatura. O policial baleado foi conduzido em estado grave para o Hospital da Restauração, mas não resistiu aos ferimentos. 

O comando da PM informou que o Centro de Assistência Social do batalhão está prestando total apoio aos familiares do PM assassinado.

A policial que presenciou o crime está em estado de choque e deve ser ouvida durante a instrução criminal. Já o agressor foi imediatamente preso e recolhido para a sede da Corregedoria da Secretaria de Defesa Social.

O autor do disparo, Flávio Oliveira, que tem sete anos na Corporação, ao final da instrução criminal poderá ser submetido a um processo de Licenciamento ex-officio e ser expulso dos quadros da Corporação.

 

 

JC OnLine 

←  Anterior Proxima  → Página inicial