Vila Isabel homenageia Miguel Arraes em seu centenário de nascimento ~ Macaparana Hoje - Informação com agilidade!

AGORA NO BLOG...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Vila Isabel homenageia Miguel Arraes em seu centenário de nascimento



O centenário de nascimento de Miguel Arraes incentivou a Unidos de Vila Isabel a levar para o desfile, na Marquês de Sapucaí, a história do político que, embora, cearense, construiu sua carreira em Pernambuco, onde foi governador, prefeito do Recife, secretário da Fazenda, deputado estadual e federal. “É muito bonito. Não é fútil. Você tem uma história que vale a pena conhecer e transformar em carnaval. É preciso muita criatividade em cima de um assunto às vezes denso”, disse o carnavalesco Alex de Souza.

No texto de apresentação do enredo, o cantor e compositor Martinho da Vila e Alex de Souza destacam a importância de Miguel Arraes na vida política do país. Eles lembram o Acordo do Campo, promovido por ele quando governador, para estabelecer uma relação trabalhista mais justa entre donos de usinas e canavieiros. “Foi uma das coisas mais marcantes da história dele, o encontro entre os camponeses cortadores de cana, para conseguir chegar a um valor mais digno, já que o que recebiam era irrisório”, afirmou Souza.

O texto lembra que o político era chamado de Pai Arraia pelos mais humildes. “Como gesto de candura e devoção”, mostra o projeto do enredo.
Alex de Souza e Martinho falam também dos ensinamentos do educador e filósofo Paulo Freire, da fé de dom Hélder Câmara e do apoio dos amigos na criação do Movimento de Cultura Popular. “Criação de escolas, mesmo que não em espaço físico de uma escola, mas em praças públicas, em igrejas, todo um trabalho de alfabetização em massa de crianças e adultos, criação de oficinas de arte, a promoção de espetáculos públicos e de pesquisa e manutenção das tradições culturais pernambucanas. Uma experiência extraordinária que durou de 1960 a 1964”, contou o carnavalesco.

Para ele, o enredo se afina com a linha da Vila Isabel, que em outros carnavais já trouxe temas sociais. “A Vila tem essa tradição de enredos sociais”, disse.

Alegoria da Unidos de Vila Isabel em 2016

Segundo Alex de Souza, embora o início do desenvolvimento do enredo da escola na avenida vá trazer a miséria e a pobreza, vistas de perto pelo político, no restante do desfile vai sendo construído o trabalho da educação e da entrada de notáveis com o Movimento de Cultura Popular, numa tentativa de erguer o povo. “De fazer com que essas pessoas, na condição de humildes, tivessem uma condição digna e mantendo a sua arte e cultura. Começa dessa forma e termina de maneira mais alegre e leve, com as tradições pernambucanas”, conta.

Souza disse ainda que no desenvolvimento do enredo enfrentou algumas dificuldades, como o tempo reduzido - neste ano, o carnaval é mais cedo, no início de fevereiro - e a falta de material no comércio. Ele afirmou que havia a expectativa de receber ajuda do governo de Pernambuco, mas que isso não ocorreu.
O carnavalesco destacou que os gastos das escolas incluem a confecção das fantasias dos componentes que, no caso da Vila Isabel, não tem alas comerciais. Ele acredita que diante da redução de recursos enfrentada pelas agremiações, especialmente este ano por causa da crise financeira, as escolas vão ter que analisar esse custo. “As escolas que dão fantasias para a comunidade vão ter de repensar, porque ou a roupa tem que ser baratinha demais e o espetáculo perde, ou tem que pôr uma parte das fantasias à venda para tentar recuperar. Escolas como a Vila não têm ala comercial há muitos anos, então há um compromisso com a comunidade”, afirmou.

O primeiro título obtido pela Vila Isabel foi em 1988, com o enredo Kizomba, a Festa da Raça. A segunda vitória ocorreu em 2006, quando a escola se apresentou com o enredo Soy loco por ti, América - A Vila canta a latinidade. O último campeonato foi em 2013 e a Vila encantou o público com A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo - "Água no feijão que chegou mais um".




Agencia Brasil





←  Anterior Proxima  → Página inicial