Vexame internacional: Goiana, a cidade mais infectada do mundo pela Zika, diz site britânico ~ Macaparana Hoje - Informação com agilidade!

AGORA NO BLOG...

domingo, 13 de março de 2016

Vexame internacional: Goiana, a cidade mais infectada do mundo pela Zika, diz site britânico



O Blog do Anderson Pereira disponibiliza para os seus leitores uma longa matéria produzida pelo site britânico Dailymail, publicada no dia 15 de fevereiro de 2016, que traça um amplo e dramático panorama da saúde pública em Goiana ou "Zika Town" (Cidade da Zika em inglês) como passou a ser internacionalmente conhecida, o município da Zona da Mata Norte de Pernambuco.


O Blog alerta que a tradução da matéria ainda necessita de uma revisão mais eficaz. No entanto, seu conteúdo bombástico já pode e deve ser compreendido por todos os cidadãos que se preocupam com Goiana e, principalmente, por autoridades responsáveis pela saúde pública do município.


Nada poderá preparar o cidadão goianense para a matéria a seguir. Prenda a respiração e leia:


EXCLUSIVO - Cidade mais infectada do mundo: 'zona da morte' brasileira, onde 500 por dia são golpeados com o mortal vírus da Zika.
- Pelo menos 40.000 pessoas no município de Goiana, em Pernambuco, são infectadas pelo Zika;
- Ele foi o primeiro município do estado a declarar uma situação de emergência;
- Esgotos a céu aberto e lixo espalhados são ideais para os mosquitos que transportam Zika;
- 500 novos pacientes chegam no sobrecarregado hospital todos os dias;
- Trabalhador de saúde local disse que mulheres grávidas da cidade estão 'aterrorizadas'.
Em uma pequena cidade, empobrecida na área rural do Brasil, soldados cercam uma casa caiada esquálida imprensada entre várias outras numa rua de calçada empoeirada.

O interior da "cabana", onde uma mulher idosa se trancou, de tão sujo é quase impossível de imaginar.
Um rio de garrafas velhas de plástico, a decadência dos alimentos e panelas sujas e empilhadas até a altura do joelho por toda a casa. As paredes rachadas estão se unindo com bactérias.


Caminhando através dos pobres bairros periféricos da cidade, onde muitos de seus 78.000 habitantes vivem na miséria semelhante, é fácil ver porque Goiana, em Pernambuco, está perdendo desesperadamente a batalha contra a Zika.
Fora da casa da mulher, um carro de som reverbera ordens: 'Saia da sua casa, Sra. Jacienta, pacificamente ".


Nojo: A casa da Sra. Jacienta (foto), transborda lixo e sujeira, em Goiana, é imprensada entre outras, na rua de paralelepípedos empoeirados.
Condenada: Goiana (foto), no estado de Pernambuco, no Brasil, acredita-se ser o epicentro da epidemia global da Zika.


Desastre: Goiana tem a maior taxa de incidência de microcefalia em todo o mundo (na foto, uma menina que morreu 37 dias depois de nascer com a doença).
Vizinhos ansiosos assistem a distância o tenso impasse se desenrolar, até que finalmente uma senhora de idade emerge de dentro e caminha nervosamente pelo jardim.


Há gritos e aplausos quando, depois de uma intensa discussão, ela remove o cadeado do seu portão da frente e permite que os soldados entrem na residência.
Se ela não tivesse permitido, teriam forçado a entrada, como eles têm feito em várias outras casas onde suspeitam que existam criadouros dos mosquitos que transmitem o vírus.


No jardim da Sra Jacienta há água parada - incluindo baldes, garrafas e uma piscina - que poderia estar abrigando larvas dos mosquitos.
A taxa de infecção estimada em Goiana - apelidada de "Zika Town/Cidade da Zika" - é maior do que em qualquer lugar do país.


Mais de metade da população da cidade - pelo menos 40.000 pessoas - já contraiu uma das doenças transmitidas pelo mosquito - Zika, dengue e chikungunya.
Enquanto isso, até 500 habitantes da cidade procuram as clínicas de saúde da cidade todos os dias, com queixas de sintomas da Zika.


De acordo com dados recentes, até agora não declarados, 27 bebês nasceram com microcefalia, a síndrome da cabeça encolhida ligada à infecção. E em 6,3 por 1.000 nascidos vivos, é a maior taxa de incidência de microcefalia em qualquer lugar do mundo.
Outras 12 mulheres grávidas que se acredita estar carregando bebês com microcefalia irão dar à luz nos próximos meses.



Entrada: Soldados foram forçados a entrar na casa da Sra. Jacienta (à direita), em Goiana, porque temiam que baldes sem tampas e a água suja no entorno de sua casa poderiam abrigar as larvas do mosquito transportando Zika.
Imunda: As tropas encontraram ainda mais lixo e água parada dentro da suja casa.


Surto: Trabalhadores de saúde locais têm apontado para as condições deploráveis de ​​algumas pessoas, incluindo a Sra Jacienta, que é uma das razões da mais elevada taxa de infecção em todo o país.


Comunidade: Vizinhos aplaudiram quando Sra Jacienta (da esquerda com um profissional de saúde local) permitiu os soldados entrarem em sua casa imunda.


Terreno fértil: Esgoto a céu aberto da cidade e lixo espalhados ruas são condições ideais para os mosquitos que carregam o vírus.
Antes da epidemia, nem um único caso de microcefalia já havia sido registrado na região.
Isso significa que a cidade é agora o epicentro da epidemia global Zika que está causando preocupação em todo o mundo.


O MailOnline visitou Goiana, um pequeno, mas movimentado mercado da cidade, perto da costa do Atlântico, no norte do estado de Pernambuco, e encontrou uma comunidade de joelhos diante do vírus, os profissionais de saúde trabalham até ao limite em um sistema à beira do colapso.
No dia em que chegamos, o prefeito da cidade, Frederico Gadelha, foi atingido pela Zika.


De sua cama, ele disse: "Eu me sinto terrível. Meu corpo todo está doendo muito, eu estou com comichão em todo corpo e estou tão fraco que não posso ficar de pé".
"Minha cidade está um caos. Esta é uma emergência, a pior que esta cidade já experimentou. Nós só iremos vencer se toda a comunidade se juntar para fazer a sua parte".


Mas Daniele Uchoa, diretora de saúde da XII Geres, teme que a situação está prestes a ficar muito pior.


Ela disse: 'Eu não sei por que a Zika escolheu nossa pequena cidade. O nosso sistema de saúde não estava preparado para isso. Estamos esperando chuvas em março e abril, e temos medo que isso pode significar para nós. Sabemos que o mosquito sofreu uma mutação, e aprendeu a sobreviver em novos habitats, incluindo água suja. Se as coisas piorarem, o serviço de saúde não será capaz de lidar. Ninguém sabe o quão ruim ele pode ficar. Estamos todos vivendo em um estado de angústia diária. Eu realmente espero que possamos superá-lo, mas eu sei que não vai ser fácil".


Estagnada: A água nos baldes e garrafas fora de casa da Sra Jacienta, bem como a sua piscina, poderia ser um terreno fértil para o mosquito Aedes aegypti que carregam Zika.



Perigoso: Mais de metade da população da cidade - cerca de 40.000 pessoas - Acredita-se que já tenham contraído Zika (na foto, um balde de água estagnada em frente à casa da Sra Jacienta ).




Caminhando nos pobres bairros periféricos de Goiana (na foto , casa da Sra Jacienta ) , é fácil ver por que a cidade está perdendo a batalha com o vírus Zika.
Empobrecida: Muitas pessoas, incluindo a Sra. Jacienta (na foto, um soldado fora da casa) vivem em condições precárias e não podem comprar repelente de insetos.


Goiana foi o primeiro município no estado de Pernambuco que declarou "situação de emergência", devido à Zika, em novembro do ano passado, quando a cidade começou a ser dominada por novos casos da doença.
Isso foi antes da maioria dos bebês de mulheres que tinham sido infectadas por Zika começarem a nascer - muitos com a condição de "cabeça encolhida", que está ligada à doença.


O município iniciou campanhas para educar os moradores, incluindo distribuição de panfletos, visitas porta-a-porta por agentes comunitários de saúde e, por vezes, o uso do exército para forçar entrada em propriedades onde tenham possíveis criadouros do mosquito.


A ação mais recente, no sábado de manhã, aconteceu após a mulher ter repetidamente impedido a entrada dos inspetores em sua casa, depois que várias queixas apresentadas por residentes locais e de um pico de casos da Zika na rua.
Mas, com números mais recentes mostrando um número de infecções ainda mais elevado do que em qualquer outro momento, Goiana ainda está perdendo a batalha contra a doença.


Esgotos a céu aberto estão a fluir de todos os lados da maioria das ruas residenciais, enquanto poças de água, córregos cobertos de lixo e esgotos quebrados oferecem condições ideais para mosquitos prosperarem.
Muitas famílias vivem em condições precárias, e repelente de insetos e redes de mosquitos são luxos que poucos podem pagar, e como a água é escassa, os moradores costumam armazenar água, que muitas vezes se tornam locais de reprodução dentro das suas próprias casas.


Problema: Com fortes chuvas esperadas para os próximos meses em Goiana (foto), autoridade de saúde local da cidade teme que a situação está prestes a ficar muito pior.
Sujeira: Esgotos a céu aberto, enquanto a água parada se acumula em poças.


Esgotos à céu aberto e cobertos de lixo da cidade oferecem condições ideais para que mosquitos prosperem.


Na verdade, é difícil encontrar uma única casa que não tenha sido derrubada por um dos vírus causados ​​pelo temido mosquito Aedes aegypti.
No final de uma estrada de terra no pobre bairro da Nova Goiana, encontramos um casal que talvez mais tenha sofrido nas mãos da aterrorizante epidemia Zika de Goiana.


Silvana Bernardo da Silva, de 31 anos, dissolve-se em lágrimas e tem de ser amparada por um amigo quando ela se lembra de sua filha Luiza Vitória, que morreu no mês passado, 37 dias depois que ela nasceu com microcefalia.
A mãe tinha sido diagnosticada com dengue, agora acredita-se ser Zika, quando ela tinha dez meses de gravidez.


Aos cinco meses, ela e seu marido Antonio foram informados de que o cérebro do bebê estava deformado e aos sete meses, uma outra ultra-sonografia revelou que ela tinha microcefalia.
Silvana diz: 'Eu realmente não ligo para o que o médico estava dizendo, porque eu sabia que iria amar e cuidar dela, não importa o quê. Eu estava pronto para enfrentar qualquer problema que pode haver".


Depois que o bebê Luiza Vitoria nasceu, em 8 de dezembro, foi dito a Silvana que sua filha morreria assim que os médicos cortassem o cordão umbilical.
Silvana lembra: "Para mim, ela era linda, perfeita. Eu não conseguia ver nada de errado com ela. Eles cortaram o cordão e, em seguida, me disseram que ela tinha ido, e perguntaram se eu queria abraçá-la uma última vez. Eles colocaram meu bebê morto no meu peito e eu a segurei perto. Mas algo dentro de mim não acreditava que ela tinha realmente morrido".


Desgosto: Silvana Bernardo da Silva, uma moradora local, que perdeu sua filha (foto) para o vírus. Ela diz que chora muito todos os dias e ainda imagina o bebê em seu berço.



Tempos mais felizes : Silvana (à direita) e seu marido Antonio foram autorizados a trazer sua filha do hospital para casa três vezes ao longo de um mês, enquanto ela ainda estava viva - incluindo o Natal e o Ano Novo.


Dilacerada: Silvana foi diagnosticada com dengue - que agora acredita-se ter sido Zika.


Adeus: Silvana disse que estava segurando a mão de Luiza, quando, em 14 de janeiro, depois de a condição do seu bebê piorar, ela finalmente faleceu.



O seu marido, Sr. Antonio, de 38 anos, um motorista, lembra: "Eles me chamaram para dizer adeus, mas quando cheguei perto vi bolhas saindo da boca do meu bebê. Eu gritei, está viva a minha menina. Mas, os médicos disseram que eu estava apenas vendo as últimas batidas de seu pequeno coração. Eles disseram que não havia nada que pudéssemos fazer para trazê-la de volta ".


Vinte minutos mais tarde, no entanto, Luiza Vitória ainda não tinha falecido.
Silvana diz: 'Os médicos disseram que iriam dar-lhe duas horas para lutar sozinha. Eles a levaram para longe e colocaram ela em um berço, pensando que ela não faria isso. Mas duas horas depois ela ainda estava viva. Então, eles colocaram em uma incubadora. Ninguém podia acreditar que ela não tinha morrido, diziam que seu cérebro era incompatível com a vida, que foi muito danificado para ela sobreviver. Mas ela lutou muito para se manter viva".
O casal foi autorizado a levar sua filha para casa três vezes ao longo do mês seguinte, incluindo Natal e Ano Novo.


Silvana, que ganha um salário mínimo de R$ 880 por mês como empregada doméstica, disse: "Eu nunca vi nada de errado com ela. Ela iria pegar minha mão, sorrindo. Gostaria de falar com ela o tempo todo e que ela iria olhar nos meus olhos, como se ela soubesse que eu estava dizendo. "Ela sempre queria mamar meu peito, mas os médicos sempre me disseram para não deixá-la tentar. Eu sempre acreditei que ela iria conseguir e voltar para casa bem".
"Todo o tempo os médicos me diziam que ela ia morrer a qualquer momento, mas eu nunca acreditei neles".


Oprimido: Goiana (foto) foi o primeiro município no estado de Pernambuco a declarar uma "situação de emergência", devido à Zika.


Conscientização: As autoridades de Goiana iniciaram campanhas para educar os moradores através da distribuição de folhetos e até mesmo forçando seu caminho em casas onde eles temem que mosquitos podem estar se reproduzindo.


Derrubada: Nas partes mais pobres de Goiana, é difícil encontrar uma casa que não foi afetada pelo vírus de alguma forma.


Silvana, que também tem uma filha de sete anos de idade, disse que ela estava segurando a mão de Luiza, quando, em 14 de janeiro, depois da condição do seu bebê piorar, ela finalmente faleceu.


Soluçando, ela se lembra: "Eu ainda não posso acreditar que ela se foi. Eu choro o tempo todo. Eu ainda acordo quero vê-la no meu quarto, eu ouço ela chorar, eu sinto o cheiro dela ao redor da casa. Tenho tantas saudades dela. Ela sempre estará comigo. E eu sempre vou agradecer a Deus por ter colocado ela em nossas vidas e permitir que ela estivesse conosco".


O pai Antonio disse: "Ela era nossa pequena guerreira. Ela lutou até ao fim e ela nunca vai ser esquecida. Ela foi colocada em nossas vidas por uma razão. Ela nos ensinou muito e nos aproximou. Eu costumava beber muito, mas ela fez a diferença na minha vida. Eu não me lembro de nenhuma das coisas ruins, eu deixei tudo no hospital. Agora eu vou lembrar o bom, o bonito".


Maria Lucia, a agente comunitária de saúde, que é responsável pelo bairro da Nova Goiana, que é o lar de 190 famílias, disse temer que em breve poderá haver outros pais que terão de passar pelo mesmo pesadelo.


Ela diz: "Eu nunca vi tanta gente ficar doente ao mesmo tempo. Em todos as outras casas você vai encontrar um, dois ou até três pessoas com Zika. As crianças pequenas, idosos, mulheres grávidas, ninguém está sendo poupado".
E ela afirma que a situação não precisava ter saído do controle se as autoridades tivessem agido mais cedo.


Ela disse: 'Não há saneamento básico aqui, o esgoto corre direto na rua, ao ar livre. Nós tivemos ano após ano de surtos de dengue, mas nenhuma ação foi tomada para impedir isso".


'Eu já reclamei tantas vezes, mas ninguém faz nada. Agora todo mundo está ficando doente, e mulheres grávidas aqui estão absolutamente aterrorizadas".


Sofrimento: 500 novos pacientes chegam nas clínicas de saúde esticadas da cidade e no Hospital Belarmino Correia todos os dias, com sintomas do Zika.


No hospital Regional Belarmino Correia, pacientes com sintomas do vírus da Zika lotam a recepção. Uma adolescente grávida soluça enquanto espera sua vez de ser examinada por uma enfermeira que faz a triagem.


Lá dentro, Dr Bruno Brito, de 29 anos, um dos apenas dois médicos de turno, que instrui a equipe para priorizar pacientes que são idosos, grávidas, ou que têm uma condição de saúde mais complicada.


Já hoje, duas mulheres grávidas chegaram com suspeita de Zika, e foram enviadas para a setor de maternidade do hospital para fazer exames.


Dr. Brito disse: 'Todo mundo vai ser atendido, mas alguns podem ter que esperar por muitas horas. É caótico. Nós estamos vendo o dobro do número de pacientes. Noventa por cento deles estão experimentando sintomas da Zika".
Ele disse que em um turno de 11 horas na semana passada, ele e outro médico atenderam 162 pacientes - ou seja, um a cada quatro minutos.


Ele disse: "É cansativo, o que é preocupante porque eu sei que estou lidando com a vida das pessoas e eu tenho que estar alerta. Com apenas dois médicos em qualquer momento estamos no limite. E se uma emergência chega e eu estou muito cansado de ver tantos pacientes com Zika?".


A enfermeira Ana Claudia Albuquerque, que também é diretora da Atenção Básica de Saúde do município, admite: "O hospital é mergulhado no caos. Nós não temos mais lugares para colocar os pacientes e a carga de trabalho é demais para a quantidade de pessoal. Na última mudança de turno um médico ficou doente porque ele estava trabalhando muito".


Medo: Rayane Gomes, de 19 anos, só descobriu que seu filho Alessandro (ambos na foto) tinha microcefalia depois que ele nasceu.
Infectada: "Eu comecei a chorar e alguém tinha que vir e me confortar. Eles me disseram que não há cura, mas há tratamento," disse Rayane (na foto com seu filho que tem microcefalia).


"Esta epidemia pegou a todos de surpresa, nós nunca esperávamos que tantas pessoas iriam ficar infectadas. Mas o pior é que 2016 já está superando nossas piores expectativas".


Ela explica que a maioria dos pacientes acabam sendo registrados como tendo dengue, porque a autoridade de saúde do estado ainda não forneceu os kits de teste de sorologia para diagnosticar a Zika.
Apenas no mês passado, 1.463 casos de 'dengue' foram registrados na cidade.
Entre os pacientes que sofrem com sintomas da Zika, os testes só são ordenados em mulheres grávidas, com amostras enviadas para teste em um laboratório na capital do estado Recife.


Mesmo assim, desde o início do ano, 153 pacientes foram investigados quanto a infecções da Zika, os quais ainda estão aguardando os resultados.
Ana Claudia acrescenta: "Estamos falando de toda uma geração de crianças que estão nascendo e que vai precisar de cuidados especializados para o resto de suas vidas".


Para este elevado número de crianças com microcefalia a cidade vai precisar de um novo hospital apenas para apoiá-los.
"Mesmo depois que a Zika acabar, Goiana estará lutando para lidar com os danos que serão sentidos durante as próximas décadas"
Do outro lado da cidade, no bairro do Bom Tempo, outra mãe vive o drama causado pela Zika.


Dr Bruno Brito (foto), um dos apenas dois médicos do turno no hospital local, instrui sua equipe para priorizar pacientes que são idosos, grávidas , ou que têm uma condição de saúde mais complicada.


Excesso de trabalho: Dr. Brito (foto) disse: "Todo mundo vai ser atendido, mas alguns podem ter que esperar por muitas horas. É caótico".


Rayane Gomes, de 19 anos, só descobriu que seu filho Alessandro tinha microcefalia depois que ele nasceu, em 22 de outubro do ano passado.
Ela disse: "Lembro-me de olhar para ele, em seguida, olhando para o bebê de outra mãe, e percebi que o meu era diferente. Mas o pessoal do hospital não me disse, eles disseram que eu tinha que ficar no hospital por três dias para um especialista checar. Mesmo assim, ninguém me disse o que estava

 errado, eles simplesmente me disseram para marcar uma consulta no Recife".
No Hospital Universitário Oswaldo Cruz, em Recife, Rayane foi informada que seu bebê tinha microcefalia. Ela lembra: "Comecei a chorar e alguém tinha que vir e me confortar. Eles me disseram que não há cura, mas há tratamento. Mesmo agora, eu choro todos os dias. Eu não posso descobrir se ele está com dor ou terá que sofrer para o resto de sua vida".


Rayane, que também tem uma filha de dois anos de idade, ainda está à espera de testes para confirmar os danos cerebrais no seu bebê - mas ela diz já saber que Alessandro tem problemas.


Ela diz: "Às vezes ele balança. E eu sei que há problemas com os olhos. Muitas vezes, quando ele acorda ele não pode abri-los, especialmente à luz. Ele revira os olhos e balança a cabeça, e ele fica angustiado, como se estivesse com dor. Para uma mãe é tortura, eu só quero fazer o melhor, mas eu sei que não posso".


Culpa: Maria Lucia, agente comunitária de saúde em Goiana (foto), disse que a situação da Zika não teria saído de controle se as autoridades tivessem cuidado das chocantes questões de saneamento.
Sujo: Ela disse: "Não existe saneamento básico aqui (em Goiana, na foto) , o esgoto corre ao ar livre".


Epidemia: Só no mês passado, 1.463 casos de 'dengue' foram registrados na cidade, vista como o epicentro do surto.


"Ele chora por horas a fio e sofre muita dor de cabeça . Eu tenho que ter muita paciência para cuidar dele 24 horas por dia. E tem sido difícil para nós financeiramente, especialmente porque uma vez por mês temos que levá-lo para Recife para ver um especialista".

"Me deixa irritada pensar que um mosquito causou todo esse sofrimento. Há outras mães grávidas aqui perto que contraíram Zika e peço a Deus que elas não tenham que passar pelo mesmo que eu".

"Eu não sei o que o futuro trará, mas eu sei que eu nunca vou desistir do meu bebê, aconteça o que acontecer. Eu vou fazer tudo que posso para dar a melhor vida que ele pode ter".


*Confira a matéria original (em inglês) no site do Dailymail:http://www.dailymail.co.uk/news/article-3447572/The-world-s-infected-town-Inside-tiny-Brazilian-death-zone-500-DAY-struck-deadly-Zika-virus-police-fight-filthy-hoarders-spread-disease.html





Blog do Anderson Pereira






←  Anterior Proxima  → Página inicial