AGORA NO BLOG...

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Fronteira da Venezuela com o Brasil segue fechada em Roraima após ordem de Maduro


Passagem de pedestres não é permitida pela aduana. Venezuelanos usam caminhos alternativos, as chamadas trincheiras, para atravessar a pé, mas militares de Maduro tentam impedir passagem.

Grupo na frente de soldados venezuelanos na fronteira com o Brasil em Pacaraima — Foto: REUTERS/Ricardo Moraes



A fronteira da Venezuela com o Brasil segue fechada na manhã desta sexta-feira (22), após Nicolás Maduro determinar o bloqueio por tempo indeterminado. Normalmente, a passagem é fechada à noite e reabre por volta das 7h do dia seguinte (horário local, às 8h de Brasília), o que não aconteceu nesta manhã.


Venezuelanos não podem atravessar a fronteira a pé e nem de carro. No entanto, desde o início da manhã, o G1 conseguiu observar vários grupos de venezuelanos usando rotas alternativas no entorno da BR-174, bloqueada pela VenezuelaParte desses caminhos ficam muito perto ao posto oficial de controle dos dois países e por volta das 8h30 guardas venezuelanos intensificaram a fiscalização pelo entorno da rodovia no intuito de conter a passagem irregular de pessoas para o país.


Nas rotas clandestinas, os guardas abordam quem tenta cruzar a fronteira a pé pelo lado venezuelano e impedem a passagem pela mata, mas ainda assim há pessoas que burlam a fiscalização e conseguem atravessar os limites entre os dois países.


Do lado brasileiro, na BR-174, o trânsito é liberado, mas quem tenta entrar na Venezuela não consegue autorização de militares do país vizinho. Por volta das 8h20, um grupo de cerca de 50 pessoas e três carros tentou passar na aduana, mas foi impedido de entrar na Venezuela.


A bandeira da Venezuela, que normalmente é hasteada por volta das 6 horas, só foi erguida quase duas horas depois por oficiais na fronteira. A barreira brasileira, no entanto, foi reaberta normalmente.


No fim da manhã, por volta das 11h15, um grupo de venezuelanos baixou a bandeira e deixou a meio mastro. Eles gritaram palavras de ordem e afirmaram que o ato era contra a ditadura de Maduro.


Fonte G1


←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário