AGORA NO BLOG...

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Caminhoneiros podem começar greve no dia 23


Resultado de imagem para caminhoneiros greve


O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José Fonseca, enviou um ofício nesta segunda-feira (13) ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, demandando uma reunião com a Petrobras para tratar de uma solução para as constantes altas no preço do diesel, que representa cerca de 50% do valor do frete e que de janeiro até abril deste ano acumula alta de 24,34%.A entidade promete realizar uma paralisação de 24 horas no dia 23 de maio. Após esse período, caso a política de preços da estatal não seja revista, Fonseca promete uma parada por tempo indeterminado.
A revolta do presidente da entidade que representa cerca de 450 mil caminhoneiros de todo o País é uma resposta ao que ele considera um descaso com a categoria pelo presidente da Petrobras. “Quando ele escolheu não participar da audiência pública na Câmara dos Deputados, na quarta passada, para debater o tema, ele debochou da gente e não vamos tolerar uma postura dessa. Queremos esse encontro presencial, em um local público para que todos possam conferir o que vamos mostrar”, diz, afirmando que a intenção do encontro é mostrar estudos realizados pela equipe técnica da Abcam sobre o tema.Segundo ele, as análises com base em dados atuais e históricos revelam que os derivados do petróleo, notadamente o diesel, gasolina e gás, poderiam ficar significativamente abaixo dos níveis atuais, preservando-se adequada margem de lucro para a Petrobras. “Temos provas de que é possível o litro do diesel chegar a R$1. Uma condição necessária para isso é a preservação das refinarias em mãos da Petrobras, com o que a empresa manteria a situação de monopolista em produção de derivados, o que é, inequivocadamente, do interesse da segurança nacional e, portanto, também nosso”, completa.Por nota, a CNTA afirma não promover greve e que qualquer decisão sobre uma nova paralisação é prerrogativa da categoria, manifestada em assembleia dos sindicatos. “A entidade sempre apoiará movimentos que reflitam os interesses coletivos da categoria, com respeito à ordem pública, às instituições, às leis e a sociedade como um todo, porém, crê que o momento atual é o do diálogo e da realização dos compromissos assumidos pelo governo”, diz documento.



Fonte Exame


←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário