AGORA NO BLOG...

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Idosa de 70 anos que trabalhou como faxineira realiza sonho ao se formar na Ufac: 'nunca é tarde'


vete de Souza nasceu no seringal e os 16 anos pediu aos pais para ir para cidade estudar. Ela concluiu o ensino médio aos 50 anos e aos 65 entrou na faculdade.

Aos 70 anos, Ivete de Souza se formou em artes cênicas na Ufac — Foto: Arquivo pessoal

Nunca é tarde para as pessoas estudarem. Comecei com 65 anos, estou com 70 e com espírito de 20 anos e ainda fui convidada pelo reitor para fazer o mestrado”. Essa é a lição que a dona Ivete de Souza, compartilha depois de se formar no curso de artes cênicas pela Universidade Federal do Acre (Ufac).

De 45 alunos, formaram apenas seis. A colação de grau foi essa semana e ela ganhou uma homenagem especial dos colegas, professores e até da reitora da universidade.

A atriz conta que nasceu em um seringal e que pediu aos pais para ir para cidade estudar. O tempo passou e ela nunca desistiu de lutar, sempre foi em busca de alcançar seu espaço.

“Tinha entrado pelos 16 anos quando pedi para ele [pai] para voltar para cidade. Eu dizia que iria trabalhar nem que fosse de doméstica, mas que não ia ficar no seringal. Agora lá vou me casar com seringueiro, meu futuro não era esse não. Eu queria era continuar a estudar”, contou.

Dia após dia, Ivete trabalhou como auxiliar de enfermagem, faxineira, serviços gerais, na saúde e educação. E o sonho de estudar permaneceu vivo. No fim da década de 90, ela teve a oportunidade de terminar o ensino médio, aos 50 anos.

“Eu continuei com meus estudos, fiz o ensino médio, aí quando terminei e parei de novo”. Depois dessa pausa, ela só retornou para a sala de aula em 2014, para um dos maiores desafios da sua vida: o ensino superior.



Nunca é tarde para as pessoas estudarem. Comecei com 65 anos, estou com 70 e com espírito de 20 anos e ainda fui convidada pelo reitor para fazer o mestrado”. Essa é a lição que a dona Ivete de Souza, compartilha depois de se formar no curso de artes cênicas pela Universidade Federal do Acre (Ufac).

De 45 alunos, formaram apenas seis. A colação de grau foi essa semana e ela ganhou uma homenagem especial dos colegas, professores e até da reitora da universidade.

A atriz conta que nasceu em um seringal e que pediu aos pais para ir para cidade estudar. O tempo passou e ela nunca desistiu de lutar, sempre foi em busca de alcançar seu espaço.

“Tinha entrado pelos 16 anos quando pedi para ele [pai] para voltar para cidade. Eu dizia que iria trabalhar nem que fosse de doméstica, mas que não ia ficar no seringal. Agora lá vou me casar com seringueiro, meu futuro não era esse não. Eu queria era continuar a estudar”, contou.

Dia após dia, Ivete trabalhou como auxiliar de enfermagem, faxineira, serviços gerais, na saúde e educação. E o sonho de estudar permaneceu vivo. No fim da década de 90, ela teve a oportunidade de terminar o ensino médio, aos 50 anos.

“Eu continuei com meus estudos, fiz o ensino médio, aí quando terminei e parei de novo”. Depois dessa pausa, ela só retornou para a sala de aula em 2014, para um dos maiores desafios da sua vida: o ensino superior.





Nunca é tarde para as pessoas estudarem. Comecei com 65 anos, estou com 70 e com espírito de 20 anos e ainda fui convidada pelo reitor para fazer o mestrado”. Essa é a lição que a dona Ivete de Souza, compartilha depois de se formar no curso de artes cênicas pela Universidade Federal do Acre (Ufac).

De 45 alunos, formaram apenas seis. A colação de grau foi essa semana e ela ganhou uma homenagem especial dos colegas, professores e até da reitora da universidade.

A atriz conta que nasceu em um seringal e que pediu aos pais para ir para cidade estudar. O tempo passou e ela nunca desistiu de lutar, sempre foi em busca de alcançar seu espaço.

Após cursar artes cênicas, acreana conclui o ensino superior aos 70 anos — Foto: Arquivo pessoal

“Tinha entrado pelos 16 anos quando pedi para ele [pai] para voltar para cidade. Eu dizia que iria trabalhar nem que fosse de doméstica, mas que não ia ficar no seringal. Agora lá vou me casar com seringueiro, meu futuro não era esse não. Eu queria era continuar a estudar”, contou.

Dia após dia, Ivete trabalhou como auxiliar de enfermagem, faxineira, serviços gerais, na saúde e educação. E o sonho de estudar permaneceu vivo. No fim da década de 90, ela teve a oportunidade de terminar o ensino médio, aos 50 anos.

“Eu continuei com meus estudos, fiz o ensino médio, aí quando terminei e parei de novo”. Depois dessa pausa, ela só retornou para a sala de aula em 2014, para um dos maiores desafios da sua vida: o ensino superior.


Fonte G1 


←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário