AGORA NO BLOG...

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Objeto gigante que apareceu em praia de SP pertence à Petrobras, diz estatal


Estatal não informou quando o objeto será retirado da praia. Técnico afirma que a boia funciona como uma defensa para a atracação de navios nos portos.

Segundo a Prefeitura, boia gigante tem quatro metros de altura e quase cinco de comprimento. — Foto: Arquivo pessoal

A boia gigante encontrada no último dia 16 na praia do Balneário Januário, em Ilha Comprida, no litoral de São Paulo, pertence à Petrobras, segundo confirmação feita pela própria estatal ao G1 neste domingo (20). A boia tem quatro metros de altura e quase cinco de comprimento e, de acordo com a Prefeitura, a administração agora aguarda o posicionamento da empresa para saber qual será seu destino.

A Petrobras, no entanto, não informou quando pretende retirar o objeto e quais os próximos procedimentos que serão adotados. A estatal ainda reforçou, em nota ao G1, que o objeto não oferece riscos a quem passa próximo dela, nem danos ambientais.

O técnico do Departamento de Engenharia e Obras da Prefeitura, Ricardo Ragni, explica que a boia é uma "defensa de navios, que serve para proteger o casco da embarcação durante a atracação. Normalmente é fixa no atracadouro e serve de segurança para evitar impactos que possam causar danos ao navio".

Ainda segundo Ragni, antes de saber a quem pertencia, a administração fez um levantamento e catalogou o objeto. "Buscamos contato com algumas empresas para encontrar de onde veio. A Petrobras assumiu a propriedade dessa defesa e vai tomar as decisões para dar um destino ao lugar certo”, afirmou.

Boia gigante surgiu de um dia para o outro em praia de Ilha Comprida, SP. — Foto: Arquivo pessoal

A boia gigante encontrada no último dia 16 na praia do Balneário Januário, em Ilha Comprida, no litoral de São Paulo, pertence à Petrobras, segundo confirmação feita pela própria estatal ao G1 neste domingo (20). A boia tem quatro metros de altura e quase cinco de comprimento e, de acordo com a Prefeitura, a administração agora aguarda o posicionamento da empresa para saber qual será seu destino.

A Petrobras, no entanto, não informou quando pretende retirar o objeto e quais os próximos procedimentos que serão adotados. A estatal ainda reforçou, em nota ao G1, que o objeto não oferece riscos a quem passa próximo dela, nem danos ambientais.

O técnico do Departamento de Engenharia e Obras da Prefeitura, Ricardo Ragni, explica que a boia é uma "defensa de navios, que serve para proteger o casco da embarcação durante a atracação. Normalmente é fixa no atracadouro e serve de segurança para evitar impactos que possam causar danos ao navio".

Ainda segundo Ragni, antes de saber a quem pertencia, a administração fez um levantamento e catalogou o objeto. "Buscamos contato com algumas empresas para encontrar de onde veio. A Petrobras assumiu a propriedade dessa defesa e vai tomar as decisões para dar um destino ao lugar certo”, afirmou.



Fonte G1


←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário