AGORA NO BLOG...

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Pernambuco cresce mais do que Brasil e Nordeste tem pior desempenho entre as regiões


Em tempo de retomada lenta e gradual do crescimento econômico no país, o Nordeste é onde ela ocorre de modo mais desacelerado (0,7%). Pernambuco, por sua vez, está mais próximo dos índices nacionais do que dos da região onde está inserido, crescendo, inclusive acima da média do Brasil.

Dados relacionados ao trimestre, de todas as regiões do país, foram apresentados pelo Banco Central (Foto: Patrícia Monteiro / Esp.DP Foto)
 
Enquanto a performance brasileira no último trimestre foi de + 0,9%, a pernambucana alcançou os índices de 1,1%. A atividade econômica do estado acelerou no trimestre encerrado em novembro, alcançando, inclusive, a maior taxa de crescimento dos últimos cinco trimestres. A perspectiva, para 2020 é a repetição dos resultados positivos. Os dados são do Boletim Regional do Banco Central e significam uma prévia do PIB, a ser divulgado pelo IBGE em março. O documento analisa as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul e os estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

O Índice de Atividade Econômica Regional – Nordeste (IBCR-NE) variou 0,2% no trimestre encerrado em novembro de 2019 em relação ao finalizado em agosto. Em doze meses o IBCR-NE registrou alta de 0,6%. De acordo com Túlio Maciel, chefe do departamento de desenvolvimento econômico (Depec) do Banco Central, durante 11 anos, a região cresceu mais do que a média nacional, mas os dois anos anteriores ilustram a reversão do quadro.
 
“Com a agregação de menos trabalhadores em postos de trabalho, a massa salarial cresce em ritmo mais lento que outras regiões e traz desdobramentos em toda a economia nordestina”, explica. O ritmo lento repercute a incipiente recuperação da produção industrial e o baixo dinamismo do mercado de trabalho, apesar da expansão das vendas do comércio ampliado, que cresceu 2,0% no mesmo período. O que, de acordo com os dados, está relacionado à liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) à Black Friday.
 
Para Fábio Silva, analista do Depec em Recife, a queda da exportação também trouxe desdobramentos. “Segmentos químicos, de celulose e automóveis são grandes exportadores impactados pela queda da demanda externa. A Bahia, por exemplo, é o estado com maior peso da indústria, então sentiu as consequências”, explica. Entre 2010 e 2017, Bahia e Sergipe perderam espaço no PIB na região. Pernambuco e Piauí, por sua vez, ganharam.
 
Se a indústria foi protagonista no baixo desempenho do Nordeste, o contrário aconteceu em Pernambuco onde houve a retomada de derivados de petróleo e do setor químico – aliada a indicadores favoráveis da demanda por bens e serviços.
 
O IBCR-PE alcançou 1,3% no trimestre encerrado em novembro, após 0,1% no mesmo intervalo precedente. No comércio, também houve crescimento: 2% no trimestre, em relação ao finalizado em agosto, quando havia crescido 0,6%, na mesma base de comparação. Destaquem-se os resultados de móveis e eletrodoméstico (7,3%); combustíveis e lubrificantes (4,8%) e veículos e motocicletas (4,3%). Quanto à safra agrícola, a participação da cana-de-açúcar na economia do estado ainda é alta (30%).
 
Para 2020, a expectativa é de estabilidade/manutenção, embora o nível de produção esteja deslocando-se para Centro-Oeste e São Paulo. Sobre as exportações de automóveis do estado, apesar da queda em relação a Argentina, com a crise do país, Túlio conta que houve um direcionamento para outros países, como o México. “Vamos observar quanto à demanda do mercado doméstico, que está aquecido, com crédito de veículos crescendo a dois dígitos por ano, puxando vendas do setor e refletindo-se em todo o setor automobilístico”, afirma. 

* Índice de atividade econômica do Banco Central:

Norte – 4,7%
Nordeste – 0,7%

Centro-Oeste: 2,5%

Sudeste – 2%
Sul – 2,1%.

*Nordeste por segmentos:

Indústria – - 3,1%. Declínio do setor químico, artefato e de veículos

Comércio - Caracteriza o declínio da recessão e a retomada da economia. No Nordeste, taxa mais baixa do que nas demais regiões (1,2%). O melhor desempenho foi do Norte, com 6,2%.

Serviços - desacelerou, acompanhando a indústria (-0,8%).

Pernambuco: Estrutura Econômica – participação das atividades econômicas no Valor Adicionado Bruto (dados de 2017): 

Administração Pública é a maior do estado: 24,4%.

Indústria da Transformação: 13,2%, acima da do Brasil (12,4%). Em 2010, a participação, neste setor, de segmentos como veículos era de 0,3%. Atualmente, chega a 10,9%. A de derivados de petróleo e combustíveis, da mesma forma. Passou de 0,5% a 11,8%.

Quanto à fruticultura, para 2020, há a perspectiva de redução de safra de manga, mas ela é vinda de patamar alto com o aumento do dobro da produção há cinco ou seis anos. É uma queda de base alta.

Postos de trabalho - 8.200 menos demissões, sendo 5 mil só no setor de teleatendimento. Os motivos foram a revolução da tecnologia no segmento e à migração para outros estados.

Fonte Diario de Pernambuco


←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário